Quinta-feira, 6 de Março de 2008

Debra Brown - Coreografia

“Não vejo os movimentos como algo estilizado. Não me vejo como coreógrafa de qualquer tipo específico de dança”.

Uma mestra na emoção do movimento, Debra Brown é reconhecida mundialmente pelas suas coreografias únicas, que combinam o contorcionismo, a ginástica e a dança aérea. ZUMANITY é a sua nona criação para o Cirque du Soleil.

Apaixonada por acrobacia desde muito nova, Debra começou por estudar ginástica aos nove anos, explorando mais tarde as possibilidades criativas da dança. Depois de concluir os seus estudos em educação física na University of Western, Ontario, e em Artes, na York University, em Toronto, seguiu para Vancouver em 1978, onde criou coreografias para companhias de dança locais de renome e para a equipa de ginástica canadiana.

Em 1985, a conselho de uma amiga, Debra esgueirou-se para a Grande Tenda do Cirque du Soleil durante o intervalo para conseguir ver o resto do espectáculo. Conquistada pelo que viu, descobriu várias semelhanças entre a abordagem artística do Cirque e a sua própria abordagem. No ano seguinte, juntou-se à companhia como coreógrafa de We Reinvent the Circus, tendo depois realizado as coreografias para os espectáculos Nouvelle Expérience, Saltimbanco, Alegría, Mystère, Quidam, "O" e La Nouba.

Sempre disposta a diversificar e reinventar, Debra continuou a forjar o seu impressionante e pouco convencional percurso, trabalhando com artistas e grupos de uma ampla variedade de disciplinas artísticas. Na edição de 1990 do Festival Mondial du Cirque de Demain, em Paris, o seu trabalho com um grupo de contorcionistas – apresentando a sua famosa "coreografia quádrupla" onde quatro pessoas se tornam um veículo de qualidade – granjeou-lhe o Prémio de Most Outstanding Choreographer, atribuído pela imprensa soviética. Debra também criou números para a estreia mundial da ópera de John Corigliano, The Ghosts of Versailles, apresentada no Metropolitan Opera, em Nova Iorque, e para a ópera de Wagner, Das Rheingold, apresentada pela Lyric Opera de Chicago. Em 1995, trabalhou com Luciano Pavarotti na produção da La Fille du Régiment (A Filha do Regimento), apresentada na Metropolitan Opera, em Nova Iorque.

No topo da sua fama internacional, Debra virou-se para o universo da música rock, sendo a responsável pela parte coreográfica do vídeo “Jaded” e do enérgico espectáculo dos Aerosmith para os American Music Awards, de 2001, assim como para a digressão mundial de Madonna, Drowned World Tour, no mesmo ano. Debra trabalhou também com a cantora Björk.

Sempre desejosa de ultrapassar os limites da sua arte, Debra fundou o Apogee, em 1994, uma companhia em movimento que faz do trampolim a sua pista de dança. Foram apresentados excertos deste espectáculo em eventos de grande importância, tais como uma campanha de beneficência a favor da luta contra a SIDA, realizada por Elizabeth Taylor e Magic Johnson, em Los Angeles.

Ao longo dos anos, Debra tem recebido vários prémios e distinções. Na 14.ª edição dos Prémios Bob Fosse, em Los Angeles, em 1997, recebeu o Prémio Innovative Choreography em homenagem à sua excepcional contribuição para a coreografia e para a dança. Em 2002, levou para casa um Emmy pela sua coreografia num acto apresentado pelo Cirque du Soleil na entrega dos Prémios da Academia.

Debra Brown nasceu em 1954, em Brantford, Ontário.


publicado por Cirque du Soleil às 14:46
link do post | comentar | favorito


.links

.pesquisar

 














.posts recentes

. Debra Brown - Coreografi...

.arquivos

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds